PSICODERMATOSES UMA TENTATIVA DE CLASSIFICAÇÃO

Inserida em: 18/05/2018

Nelson Guimarães Proença

A influência do psiquismo sobre a pele sempre foi motivo de estudo e discussão, na história da Dermatologia. A Sociedade Brasileira de Dermatologia tem um grupo permanente de Psicodermatologia, tradicionalmente coordenado pelo Professor Roberto Azambuja, de Brasília, do qual fazemos parte.

Nos últimos dois anos decidimos dar maior ênfase ao estudo do comportamento ditado por fatores emocionais que irão desencadear, ou influir, sobre variados quadros cutâneos. Para avançar nesse estudo precuramos encontrar uma classificação consistente e lógica, mas para nossa surpresa não encontramos alguma que já esteja universalmente aceita.

É compreensível a dificuldade para atingir esse objetivo. Seria necessária a contribuição de dermatologistas, psiquiatras e psicólogos, trabalhando em conjunto. Várias tentativas foram feitas, mas ainda não se estabeleceu algo consensual, universalmente aceito.

Revisando o tema, destacamos contribuições atualizadas que parecem  interessantes. A primeira é da European Society for Dermatology and Psychiatry, esta deu destaque aos aspectos psiquiátricos (1). Dentre as contribuições dadas por dermatologistas, cabe destacar as de Coterill & Millard (2) e de Millard & Millard (3), publicadas em diferentes edições de Rook’s Textbook of Dermatology.

Tendo como base as contribuições desses autores — e associando nossa experiência pessoal — organizamos uma classificação, tendo como foco a Dermatologia, a qual a seguir vamos apresentar.

 

1) Dermatoses devidas a respostas fisiológicas exaltadas 

1.1 — Dermografismo

1.2 — Hiperidrose: axilar e palmo-plantar

1.3 — Rubor facial / Rubor do colo (Erythema a pudore)

 

2) Dermatoses desencadeadas e/ou agravadas por influência emocional

2.1 — Alopecia areata

2.2 — Dermatite atópica

2.3 — Dermatite seborreica facial

2.4 — Eczema disidrósico palmo-plantar

2.5 — Herpes simples recidivante

2.6 — Liquen plano

2.7 — Notalgia parestésica

2.7 — Psoríase

2.8 — Rosácea

 

3) Dermatoses produzidas por atos compulsivos

3.1 — Acne escoriada

3.2 — Escoriação neurótica / ver Acarafobia

3.3 — Neurodermite / Liquenificação

3.4 — Onicotilomania / roer unhas

3.5 — Prurigo nodular de Hyde

3.6 — Queilite / por salivar, por mordiscar

3.7 — Tricomanipulação / Tricotilomania

3.8 — Tricofagia / Tricobezoar

 

4) Patomimia cutânea 

4.1 — Agressão / Autoagressão (reconhece que agride)

4.2 — Dermatite artefacta (inicialmente não reconhece)

4.3 — Sindrome de Munchausen / (“desafio aos médicos”)

 

5) Condições psiquiátricas que primeiro consultam o dermatologista

5.1 — Acarofobia / ver Escoriação neurótica

5.2 — Dismorfismo

5.4 — Morbidofobia / Principalmente genital

5.3 — Esfregação contínua / Xerodermia

 

Referências Bibliográficas

(1)  Tomas-Aragones L & col - Self-Inflicted lesions in Dermatology: Terminology and Classification – A Position Paper from the Eurpean Socisty for Dermatology and Psychiatry (ESDaP). Acta Derm Venereol 2013, 93:4-12.

(2) Coterill JA; Millard LG – Psychocutaneous Disorders. In Textbook of Dermatology, Rook/Wilkinson/Ebling, Sixth Edition, 1998, Chapter 64: 2785-2813.

(3) Millard LG; Millard J – Psychocutaneous Disorders. In Textbook of Dermatology, Rook/Wilkinson/Ebling, Eighth Edition, 2006, Chapter 64: 1-55.



Palavras-chave: Psicodermatoses; Psychodermatosis.