CISTO MIXOIDE DIGITAL

Inserida em: 08/02/2018

2014 — SBD / RESP / SÃO CARLOS (*)

 

Nelson Guimarães Proença 

 

O Cisto Mixoide Digital - que na Nomina Dermatologica de Francisco Eduardo Rabello é também denominado Cystus mucoides digitalis -  é uma lesão que acomete a superfície cutânea relacionada com a última articulação interfalangeana. Em nossa casuística de 31 casos, 23 foram em quirodáctilos e oito em pododáctilos, o que dá uma proporção de 3:1.

A elevação nodular cística mede de três a seis milímetros, mas seu crescimento não é ilimitado, logo estabiliza, permanecendo então sem alterações por tempo indeterminado. Excepcionalmente pode assumir aspecto inflamatório, mas isto só ocorre se houver algum trauma.

A localização e a consistência  cística impõem o diagnóstico, não havendo necessidade de exames complementares. Não obstante, pode haver interesse em saber se a articulação interfalangeana também apresenta alterações, o que ocorre quando o cisto mixoide está associado à osteoartrite. O simples RX de extremidades é suficiente para esclarecer se isto está ou não ocorrendo.

Quando a lesão cística cresce junto a matriz da unha, interfere com a formação da lâmina ungueal, surgindo uma depressão característica que mereceu  a denominação de “Distrofia Canaliculada da Unha”. Muitas vezes nossas pacientes nos consultaram não tanto por causa do cisto, mas sim pela alteração ungueal, que consideravam inestética.

Ao puncionar o nódulo cístico com agulha pode-se aspirar um líquido gelatinoso, idêntico ao líquido sinovial articular. Por conseguinte, ninguém tem dúvidas sobre a origem de tal lesão. O estudo histoquímico mostra que é constituído por mucopolissacárides, o que é confirmado em coloração para mucina.

O interessante é que o exame anátomo-patológico não mostra a presença de um verdadeiro cisto, pois não há cápsula envolvendo tal material. O que há é um espaço virtual no colágeno, formado pela coleção de consistência gelatinosa, que foi extravasada da zona intra-articular. Esta coleção fica delimitada apenas por uma zona de colágeno, mais homogeneizada, mais compactada. 

Um recurso interessante para verificar a possível relação do cisto mixoide com a articulação subjacente consiste em injetar azul de metileno, procedimento que deixa os limites perfeitamente definidos. Inclusive é uma técnica que facilita o ato cirúrgico de excisão.

O tratamento parece ser muito simples, mas com frequência ocorre recidiva. Antes de fazer uma tentativa terapêutica é interessante ter em mãos o estudo radiológico dessa extremidade. Caso existam significativas alterações intrarticulares, é conveniente ouvir a opinião do Ortopedista.

Um procedimento simples é a exérese com “punch” de calibre adequado, seguindo-se a eletrofulguração da base da lesão. Há recidivas também aqui, mas em proporção menor do que com outras técnicas.

A seguir apresentamos imagens ilustrativas:

— em mãos; em pés; distrofia canaliculada da unha; o aspecto do conteúdo; o aspecto pseudocístico na histopatologia; a coloração pelo azul de metileno; um estudo radiológico da articulação comprometida.

(*) Apresentação feita em São Carlos, em Reunião do Sexto Distrito Dermatológico da Sociedade Brasileira de Dermatologia Regional do Estado de São Paulo, em 30 de agosto de 2014.







Palavras-chave: Cisto Mixoide Digital; Myxoid cyst; Mucinosis pseudo-cystica\r\n