ARQUIVOS TIPO ATLAS

ACNE QUELOIDEANO

Acne Keloid

ACNE KELOIDALIS

Autor: Nelson Guimarães Proença

Inserida em: 01/02/2018


CASO 1 (19506)

Um rapaz de 25 anos, cor branca, consulta por apresentar cicatrizes elevadas na região do esterno. Teve acne discreto, durante a adolescência, que evoluiu favoravelmente. Contudo, pequenas cicatrizes da região do esterno se tornaram pruriginosas. Informa que não consegue conter o ato de coçar. Orientamos o paciente e tratamos com infiltrações intralesionais de triancinolona. Houve alguma melhora, como se vê na foto de controle.









CASO 2 (24521)

Trata-se de paciente do sexo feminino, 23 anos, cor branca, que consulta por apresentar queloide na região do ombro, face dorsal. Teve acne na adolescência, recebeu tratamento, com bom resultado. Persistiram lesões queloideanas no ombro direito, estas são muito pruriginosas. Tem procurado tratamento, mas nada conseguiu melhorar.







CASO 3 (19527)

Uma moça de 22 anos, cor branca, tem acne desde o início da adolescência. Com tratamento obteve melhora, mas nunca ficou totalmente livre de lesões. O que a incomoda muito é uma lesão cicatricial, no ângulo da mandíbula, muito pruriginosa.





Comentários

É comum que pacientes com acne venham a ter queloides, como sequelas. Estes queloides, por vezes desfigurantes, diminuem sua autoestima. 

Nossa experiência no acompanhamento de casos de acne nos ensinou algumas coisas, que não estão escritas nos tradicionais livros de texto.

Primeiro — Há localizações preferenciais para a formação de queloides pós acne, e são exatamente as que mostramos nas fotos: ângulos das mandíbulas, ombros (na face dorsal), região do esterno. 

Segundo — Estas lesões sempre são pruriginosas. Alguns pacientes dizem que “coçam desesperadoramente”. Contudo, os pacientes não se escoriam, não provocam formação de crostas. O que fazem é uma fricção, constantemente repetida, ao longo do dia. 

Terceiro — o êxito do tratamento destes queloides pós acne depende fundamentalmente da cooperação do paciente. Ele precisa se autocontrolar. Em outras palavras, é preciso que o paciente assuma sua própria responsabilidade, não mais friccionando as lesões queloideanas. Conquistada a cooperação do paciente, podem dar resultados bastante satisfatório: infiltrações intralesionais e/ou cremes corticoides, tacrolimos/pimecrolimos,.

Quarto — Não se deve começar o tratamento indicando remoção cirúrgica do queloide. Isto geralmente resulta em recidiva e lesão ainda mais exuberante.


Palavras-chave: Acne queloideano, Acne keloidal, Acne keloidalis