ARQUIVOS TIPO ATLAS

ACNE INFANTIL

Childhood acne

ACNE INFANTUM

Autor: Nelson Guimarães Proença

Inserida em: 01/02/2018


CASO 1 (19512A)

Trata-se de um menino com apenas 5 meses de idade, branco, que apresenta lesões na face desde o quinto dia de vida. Foram utilizados sucessivos corticoides tópicos, com alguma melhora, mas sempre com recidiva após sua suspensão. Ao exame foram encontradas lesões acneicas, inclusive com formação de comedões. Bastante numerosas e distribuídas não só pelas regiões mas também pela fronte. Foi instituído o tratamento com ácido retinóico a 0,05% em Loção Lanette. Na única revisão feita, após 2 meses, havia significativa melhora quanto aos comedões, mas algumas lesões foliculares ainda persistiam.







CASO 2 (44359)

Uma menina com 1 ano e 9 meses, referindo a mãe que tem lesões na face desde 1 ano de idade. São lesões acneicas, pápulo-eritematosas e comedonianas (1ª. Foto). Tratada e controlada com peróxido de benzoikla a 5% (2ª. Foto). Foi acompanhada durante 1 ano, permanecendo bem.







Uma menina com 16 meses de idade foi encaminhada para consulta por apresentar lesões na face desde os 8 meses. Não mostram tendência à remissão. A amamentação materna foi suspensa aos 7 meses, antes portanto do aparecimento do quadro facial. As lesões são papulosas e eritematosas, com presença de comedões. O tratamento foi iniciado com a tradicional pasta de enxofre, ocorrendo significativa melhora. Após 1 mês em torno de 50% dos comedões já haviam sido eliminados. Como evoluísse com melhora e recidivas passou a ser aplicado o peróxido de benzoíla, mas também sem sucesso. Perdeu-se o contato com o paciente quando ainda tinha lesões ativas.







Comentários

Lesões acneicas (ou acneiformes) podem estar presentes já ao nascimento, ou dias após, recebendo então a clássica denominação de acne neonatorum. Há trabalhos publicados — não no Brasil — que se referem a sua ocorrência em até 20% dos recém-nascidos. As lesões são pápulo-pustulosas e — muito importante — não há formação dos comedões, os que são próprios da acne vulgar. O diagnóstico diferencial precisa ser feito com miliária, com o milium, com infecções, com ulerythema ophryogenes. A regressão costuma ocorrer até os 3 meses de idade, mesmo em casos não tratados.

No Caso 1, que apresentamos, os comedões eram muito expressivos, então ficamos com o diagnóstico de acne infantil, não de acne neonatal.

Acne infantil surge a partir do segundo trimestre da infância, ou já no segundo ano de vida. Meninos são mais acometidos do que as meninas. As lesões são essencialmente confinadas à face, principalmente nas regiões genianas, sendo poupado o tronco. Estão presentes lesões eritematosas, papulosas, pustulosas e, de modo proeminente, lesões comedonianas.

Fato interessante, a destacar, é que já foi demonstrado que as glândulas sebáceas tem enzimas capazes de converter andrógenos — a de-hidroepiandrosterona produzida nas suprarrenais — em  androstenediona e testosterona. Talvez seja uma atividade enzimática anormal, das glândulas sebáceas da pele, a responsável pela acne infantil.


Palavras-chave: Acne infantil, Childhood acne, Acne infantum