ARQUIVOS TIPO ATLAS

ACANTOMA EPIDERMOLÍTICO ESCROTAL

ACANTHOMA EPIDERMOLYTICUM SCROTUM

Epidermolytic acanthoma scrotalis

Autor: Nelson Guimarães Proença

Inserida em: 01/02/2018


CASO 1

Paciente com 68 anos de idade, foi consultado por apresentar intertrigo inguinal, por Candida sp. Ao ser examinado foram encontradas lesões papulosas pequenas, não mais do que 2 a 3 mm, localizadas na região escrotal. Informou ter estas lesões há 10 ou mais anos, são absolutamente assintomáticas. Suas palavras: “— as lesões formam pequenina crosta em sua parte central, as retiro, mas voltam a se formar”. Ao exame clínico foram encontradas apenas 10 lesões, dispersas na superfície da bolsa escrotal.









CASO 2

O paciente tem 62 anos, cor branca, origem árabe, comparece à consulta por apresentar prurido na região ínguino-crural. Ao ser examinado foram encontradas pequenas lesões na bolsa escrotal. Indagado a este respeito, informou que estas lesões são assintomáticas e foram notadas a partir dos 50 anos de idade. Crescem muito lentamente. As lesões são discoides, planas, de cor eritemato-violácea. Foi pensado em líquen plano e em infecção pelo HPV (este descartado por técnica de hibridização.  Foi realizada a biópsia de uma lesão, para elucidação diagnóstica: acantoma epidermolítico. As lesões são discoides, absolutamente planas, cor violácea.











Comentários

A descrição original foi feita por Shapiro e Baraff, em 1970 (1). Até o presente o acantoma epidermolítico tem recebido pouca atenção dos dermatologistas e urologistas, sendo poucos os casos publicados.

É uma alteração epidérmica que surge na meia idade, pouco antes ou pouco depois dos 50 anos. Como é processo absolutamente benigno, assintomático, e como as lesões se estabilizam — deixam de aumentar de tamanho —  não há necessidade de tratamento.

(1) Shapiro & Baraf — Isolated epidermolytic acanthoma. Arch Dermatol 1970, 101: 220-223. 


Palavras-chave: Acantoma Epidermolítico Escrotal, Epidermolytic Acanthoma Scrotalis, Acanthoma Epidermolyticum Scrotalis